Gastos invisíveis: você sabe quais são e como controlar?


Você faz mensalmente sua planilha e mantém as informações bem organizadas: quanto você ganha de um lado e, do outro, a lista detalhada de despesas (conta de água, luz, telefone, condomínio, compras do supermercado...). Porém, nem assim as contas têm lhe dado uma trégua e o resultado acaba sendo sempre o mesmo: aperto! Por mais disciplinado que você seja, é provável que um fator esteja passando despercebido pelo seu controle: os gastos invisíveis!

Quem são eles?
O cafezinho no início do dia, o chocolate depois do almoço... São alguns hábitos, pequenas despesas, que fazem grandes estragos ao bolso no final do mês, se não forem computadas junto com seu planejamento. Experimente e veja o resultado: identifique algum gasto que lhe pareça pequeno, mas que seja habitual. Usando o caso acima, some a despesa diária daquele cafezinho ou do chocolate após o almoço. Suponhamos que faça um revezamento entre um e outro - para que a hora da refeição não caia na rotina - e que eles custem, em média, R$ 2,50 cada. Ao final do mês, a despesa será de R$ 75,00 e, no ano, o gasto não previsto pode superar R$ 900! Dá para imaginar quanto você gasta por mês, e por ano, com despesas que poderiam ser cortadas ou, ao menos, reduzidas?

Inclua no seu orçamento!
Procure estimar seus gastos invisíveis e coloque esse total em sua planilha de orçamento. Você não precisa ter um valor exato, apenas algo aproximado da realidade, que lhe permita prever melhor suas despesas. Os planejadores financeiros costumam incluir também, na lista de gastos invisíveis, o valor referente às multas e aos juros, por atraso no pagamento de algumas contas. Isso porque, por uma simples falta de controle, a pessoa pode pagar contas em atraso, sem nem perceber o impacto disso no bolso... As despesas sazonais (aquelas que aparecem apenas em determinadas épocas do ano) também devem entrar no campo dos “invisíveis”. São os presentes no dia dos Namorados, dia das Crianças, aniversário dos familiares, por exemplo, entre tantos outros. Lembre-se: tudo é uma questão de organização e planejamento. Cuide sempre da sua saúde financeira. Seu bolso agradece!


Fonte: http://www.financaspraticas.com.br